Seminário de lançamento. 18 e 19 de novembro de 2020.

O seminário de lançamento realizou-se de forma virtual nos dias 18 e 19 de novembro de 2020.

Contou com uma grande participação, com mais de 100 inscritos.

Dia 1: Quarta-feira, 18 de Novembro de 2020: 13:00 – 18:00

Apresentação geral do projeto pelo parceiro principal, as suas questões e objetivos no contexto das alterações climáticas e os seus impactos na gestão florestal. Fabrice Sin, assistente do Director da Agência, responsável pela inovação, financiamento e grandes projetos em l’Office National de Forêts, Agence Landes Nord-Aquitaine.

GT1: Novas ferramentas de gestão adaptadas às condições climáticas atuais e futuras.

Resumo bibliográfico e desafios do grupo de trabalho sobre Regeneração Florestal. Miriam Piqué, Chefe do Programa de Gestão Florestal Multifuncional do Centro de Ciência e Tecnologia da Catalunha (CTFC)

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

A primeira ação do grupo de trabalho sobre regeneração florestal (WG1) foi fazer uma compilação bibliográfica para cada espécie de acordo com a sua localização. O número total de espécies estudadas foi 6, distribuídas por 11 áreas em Espanha, França e Portugal. Por ordem de representação, as espécies estudadas são Pinus pinaster, Pinus sylvestris, Pinus radiata, Pinus pinea, Quercus ilex e Quercus suber.

Para cada um deles, foi feito um resumo bibliográfico de (a) Principais impactos associados às alterações climáticas e a sua vulnerabilidade aos mesmos, (b) Causas/fatores dos problemas de regeneração, (c) Principais desafios para a regeneração, tanto natural como artificial e (d) Boas práticas de gestão florestal para a regeneração natural e artificial.

Finalmente, a importância de cada fator foi avaliada de acordo com o facto de ter sido alto, médio ou baixo.

Diversidade genética de Pinus pinaster: clima, solo e adaptação ao fogo. Luis Gil Sanchez, Professor da Universidade Politécnica de Madrid, Membro da Real Academia das Ciências de Engenharia de Espanha

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

O Professor Luis Gil Sanches começou a sua intervenção fazendo uma revisão histórica do pinheiro- bravo na Galiza, e depois apresentou a evolução desta conífera em Espanha desde as repopulações do início do século XX até aos nossos dias.

Com o passar do tempo, a sua utilização no repovoamento foi reduzida. Ocorreram falhas devido à utilização de sementes de origens não adaptadas ao local a ser repovoado.

Foram também apresentados os resultados dos estudos realizados em vários locais espanhóis, que mostram que a escolha da origem é essencial para a proteção das massas de pinheiro-bravo contra o incêndio florestal, e a posterior regeneração.

P. pinaster apresenta em Espanha uma grande diversidade intra-específica e entre os pinheiros europeus e norte-africanos, é a espécie que apresenta uma maior diversidade genética inter e intra-específica.

Estudo da variação espacial e ontogénica da resistência ao embolismo em pinheiro-bravo. Xavier Bouteiller, Investigador e Sylvain Delzon, Diretor de Investigação de l’Institut National de Recherche en Agriculture et Environnement (INRAE).

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

Os eventos climáticos extremos (secas e ondas de calor excecionais em 1976, 2003, 2005, 2018 e 2020) tiveram consequências ecológicas consideráveis para os ecossistemas florestais. Por exemplo, a seca de 2003 afetou significativamente a produtividade, crescimento e armazenamento de carbono das florestas europeias, especialmente a floresta de pinheiro-bravo no Sudoeste da Europa (Ciais et al. 2005). Além disso, numerosas observações de mortalidade devido à seca já foram relatadas em todo o mundo (Allen et al. 2010). Por conseguinte, as consequências ambientais e económicas destes acontecimentos são significativas. A previsão destes eventos de mortalidade é um grande problema global e precisa de ser melhorado através da representação da resistência das plantas à seca em modelos de base fisiológica. Portanto, há uma necessidade urgente de estudar os mecanismos envolvidos na secura e mortalidade de órgãos ou individuais durante secas graves.

Os objetivos científicos deste projeto são

1. verificar se a variabilidade fenotípica da suscetibilidade à cavitação no pinheiro-bravo  varia ao longo da vida da árvore (efeito ontogenético) e dentro da gama de espécies.

2. Para verificar se existem diferenças na suscetibilidade à cavitação entre as variedades melhoradas (VF1, VF2, VF3, Duna).

Para responder às questões do primeiro objetivo, foram selecionadas diferentes populações de pinheiro-bravo ao longo de um gradiente latitudinal de Portugal até à Nova Aquitânia. Em cada uma destas populações, foram recolhidas amostras em cerca de 15 indivíduos adultos (>25 anos) e jovens (<8 anos).

Até ao momento, foram amostradas oito populações de pinheiro-bravo e foram feitas medições de resistência à cavitação em quase 220 indivíduos através da medição de P50. P50 mede a perda de condutividade hidráulica dos vasos de um indivíduo em função da tensão no xilema, permitindo estimar a vulnerabilidade ao stress hídrico individual. As medições de vulnerabilidade ao embolismo são atualmente efetuadas na plataforma de fenotipagem de alto rendimento, PHENOBOIS, no INRAE em Bordéus (França). Os resultados preliminares mostram que o valor médio de P50 para todos os indivíduos é de -3,82 MPa. Não foi encontrada qualquer diferença significativa entre jovens e adultos (p=0,27). Por outro lado, existe uma variabilidade significativa nas PM50 entre as populações (p<0,001). Localmente, dentro de duas populações (Lit-et-Mixe e Mimizan) foram observadas diferenças significativas em P50 entre jovens e adultos (p<0,05).

Estes resultados são preliminares e o esforço de amostragem deve continuar antes de se poder concluir acerca das questões colocadas no primeiro objetivo. Numa segunda etapa, planeamos analisar a resistência à cavitação de diferentes variedades melhoradas (VF1, VF2, VF3, Duna). Serão feitas medições P50 numa população de cada uma destas variedades em dois habitats diferentes (húmido/seco), se a amostragem o permitir. Isto permitirá a estimativa tanto da diferenciação genética entre variedades como da plasticidade fenotípica de P50.

As Dunas do Golfo das Rosas (Catalunha): problemas atuais e de gestão, e experiências a realizar no âmbito do projeto FORMANRISK. David Meya, Chefe da Secção de Florestas e Recursos Florestais. Serviços Territoriais do Departamento de Agricultura – Espanha, e Miriam Piqué, Chefe do Programa Multifuncional de Gestão Florestal do Centro de Ciência e Tecnologia da Catalunha (CTFC)

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

A Duna Continental está num estado de envelhecimento e apresenta problemas de regeneração. O objetivo do Projeto ForManRisk na Duna é assegurar a sua persistência a longo prazo e melhorar a adaptação às alterações climáticas.

Para o conseguir, foram criados dois grupos de trabalho. A primeira centra-se na definição de ações florestais de regeneração e a segunda nas relacionadas com a prevenção e extinção de incêndios, uma vez que o risco de incêndios florestais em todo o maciço de Montgrí é elevado.

No GT1, os seguintes pacotes de ação são definidos de acordo com a composição e estrutura da floresta

A – Regeneração natural e artificial, aproveitando  e gerando conhecimento.

B – Plantação sob coberto arbóreo existente.

C – Cortes de regeneração.

D – Acompanhamento das plantações subcobertas efetuadas em 2018.

No caso do WG2, serão levadas a cabo ações:

E – Prevenção e extinção de incêndios florestais.

Caraterização edáfica das plantações de pinheiros no meio das dunas galegas. Felipe Macías Vázquez, Professor de Ciência dos Solos e Química Agrícola na Universidade de Santiago de Compostela.

Link para descaregar a apresentação

Resumo da apresentação:

O Professor Macías centrou a sua palestra nas areias. Ele começou a sua apresentação caraterizando os solos dos ecossistemas dunares, a sua formação e tipologia e a sua evolução, bem como a sua composição química e granulométrica, o seu estado nutricional e o seu comportamento na dinâmica da água.

Descreveu os sistemas dunares galegos e a sua evolução com a incorporação de árvores, especialmente P. pinaster. No sul da Europa, descreveu o comportamento do solo nas grandes dunas da Aquitânia e em Leiria (Portugal), comparando estes ecossistemas com as dunas do Brasil, com solos onde as mudanças ocorrem mais rapidamente.

Dia 2: Quinta-feira 19 de Novembro de 2020 : 8:00 – 13:00

GT 2: Reduzir a vulnerabilidade das florestas ao risco de incêndio

Resumo bibliográfico e desafios do Grupo de Trabalho de Prevenção de Riscos de Incêndio.  Teresa de Jesus Fidalgo Fonseca, Professora do Departamento de Ciências Florestais e Arquitetura do Paisagista da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD).

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

O grupo de trabalho GT2 do Projeto ForManRisk está direcionado para a redução da vulnerabilidade das florestas face ao risco de incêndios. Após uma apresentação inicial ao GT, aos objetivos e ao enquadramento no projeto, apresentou-se a metodologia seguida na preparação do resumo bibliográfico.

O resumo foi preparado tendo como base informação coligida pelas diversas instituições participantes no Projeto e abordou os seguintes tópicos: quadro regulamentar, instrumentos de prevenção, avaliação de riscos e estratégias de gestão de combustíveis. Trata-se de uma atividade de capitalização de conhecimento que serve de suporte a outras atividades do projeto.

Na síntese realizada foram identificadas semelhanças de estratégias e de abordagens, na bibliografia recolhida nos três países. Foram também identificados aspetos específicos a cada País ou comunidade autónoma. Verificou-se a existência de alguma controvérsia em determinados procedimentos adotados ou propostos para reduzir a vulnerabilidade. Concluiu-se a apresentação com a identificação de desafios, os quais incluem necessidade de incluir os intervenientes no processo bem como melhorar a sensibilização da sociedade para o problema do risco de incêndio. Propõe-se que seja realizada uma análise comparativa mais detalhada da síntese realizada, e que o resultado seja partilhado com uma equipa de especialistas para recolher os respetivos contributos e validar a eficácia das medidas.

Defesa contra incêndios florestais em ARAGÃO. Rafael López del Río, Chefe do Serviço de Coordenação e Planeamento Preventivo de Incêndios Florestais, Governo de Aragão.

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

Os incêndios florestais tornaram-se um problema crescente para o ambiente e para a proteção civil num contexto de mudança global onde o potencial para grandes incêndios florestais tende a crescer, pelo que é essencial anteciparmo-nos a eles.

É necessário abordar uma nova gestão a fim de planear novas estratégias para melhorar a capacidade de lidar com estes grandes incêndios, para os quais as oportunidades de intervenção são limitadas. Uma vez conhecidos os pontos críticos a considerar, podem ser concebidas intervenções específicas no território ou podem ser promovidas atividades e ações específicas, sobre as quais podem ser realizadas intervenções especificamente concebidas para este fim, proporcionando oportunidades de intervenção para as equipas de extinção, que podem mesmo ser planeadas com bastante antecedência.

É proposta uma metodologia que se centra nos objetivos das ações, identificando antecipadamente as oportunidades que a extinção pode ter para limitar o âmbito dos grandes incêndios florestais, localizando ações e utilizando diretrizes de conceção mais eficientes e seguras para ações de prevenção. São desenvolvidas as Áreas de Defesa e as Áreas de Ação Estratégica. Esta metodologia está atualmente a ser aplicada nos Planos de Defesa contra os incêndios florestais na Comunidade Autónoma de Aragão.

O estado sanitário das árvores, uma questão complexa, entre o envelhecimento e o dieback. Christophe Drénou – Engenheiro do Instituto de Desenvolvimento Florestal – Centro Nacional de Propriedade Florestal (IDF-CNPF).

e

O método Archi adaptado ao sobreiro (Quercus suber L.).  Renaud Piazzetta, Diretor do Instituto Mediterrânico da Cortiça (IML).

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

O método Archi é uma ferramenta para o diagnóstico visual das capacidades de dieback e resiliência das árvores com base numa leitura da arquitetura das copas das árvores, atualmente operacional em 14 espécies florestais, incluindo o sobreiro (Quercus suber). Permite o reconhecimento da fase de desenvolvimento de uma árvore e a identificação do seu estado fisiológico global, e o prognóstico da sua evolução para um processo de resiliência ou, pelo contrário, de irreversibilidade dieback. O projeto ForManRisk propõe estender a validade da ferramenta existente para o sobreiro aos diferentes tipos de sobreiros nos territórios do projeto (Aquitânia e Península Ibérica), e desenvolver o método Archi para uma nova espécie, o pinheiro-bravo (Pinus pinaster).

Informação à população sobre a limpeza de matos: dois instrumentos de prevenção para a gestão de riscos (GIS TREE / ONF)

Link para descarregar a apresentação

Resumo da apresentação:

A plataforma WebSIG do ForManRisk servirá como base de dados da informação geográfica do projeto e também como ferramenta para visualizar e interagir com os dados, para membros do projeto e para o público em geral. Os dados apresentados referem-se aos locais e áreas piloto, e também a outros dados que possam surgir no decorrer das investigações. Também possui uma vertente de análise de risco de incêndio, onde se pode observar o FWI, retirado da plataforma EFFIS. Também se inclui uma carta de modelos de combustível, retirada da mesma plataforma. Por fim, este sistema também permitirá uma modelação simples de incêndios de superfície, através do modelo “ForeFire” (Filippi, 2014). Assim, esta plataforma apresenta-se como uma base de dados e uma ferramenta de análise de risco de incêndio.

Conclusões e validação do programa de trabalho FORMANRISK (ONF)

Obrigado a todos por participarem e pelas vossas contribuições!